“Debaixo dos Arcos” foi, e ainda é, o primeiro blogue não virtual de Aveiro. Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada": o centro do mundo...

11 fevereiro 2006

Rebanhismos

Após entrevistas na TSF e na Sic Noticias, para além da reconhecida oportunidade no Politica Pura, cada vez me convenço mais que Portugal não sabe aproveitar as oportunidades únicas de se demarcar ou marcar um posicionamento político forte no contexto internacional.
Temos Durão Barroso na UE, Guterres nos Refugiados e tivémos Freitas do Amaral na ONU. Aproveitamento?!! Zero.
E é curioso que o próprio Prof. MNE nada usufruiu (para Portugal, obviamente) da sua passagem pela ONU.
AQUI tinha feito referência ao relevo da possível candidatura de Ramos Horta para a ONU.
É uma dívida moral e política que temos por quem sempre defendeu o povo timorense, pelo seu prestígio internacional (prémio nobel da paz) e pela relação que tem com o nosso País.
Resultado?!!!
Uma falta de responsabilidade e posicionamento políticos na entrevista do Prof. MNE, ao afirmar que Portugal apoiará Ramos Horta para a ONU se outros países o fizerem, numa lógica do politicamente correcto, ou se quizermos da "rebanhada". Se os outros forem eu vou também
E porque não apoiar já e dizer: este é o nosso candidato?!
Medo de quê?!!!!
Subserviência a quem?!!!
É triste.
Portugal tem que ser diferente, tem que ter posição e convicção nas suas opções políticas, saber defendê-las, mesmo que isso implique perder ou não estar do lado da maioria.

Espera-se que ao menos o Dr. Ramos Horta seja eleito.

1 comentário:

Terra & Sal disse...

Tem razão Migas
Corroboro as suas palavras que merecem o meu aplauso.
Ramos Horta representa muito para os Timorenses para os Portugueses e para o mundo livre.
Nem pausa era preciso para pensar.
O nosso apoio a R. H. devia ser imediato e inequivocamente expresso.
Mas falta-nos o melhor meu Amigo. Ser donos da nossa vontade.
Abraço
Terra & Sal