“Debaixo dos Arcos” foi, e ainda é, o primeiro blogue não virtual de Aveiro. Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada": o centro do mundo...

06 fevereiro 2006

Medo. Muito medo...

Esta é a sensação que me assombra o espírito quando ouço falar em Regionalização.
O Público de hoje (06.02.2006) refere a 'movimentação' nas hostes concelhias do PSD-Porto, para pressionar Marques Mendes a trazer para a agenda política o tema da regionalização.
Longe vão já cerca de 8/9 anos do último debate público sobre o polémico tema.
Para além de questões nacionalistas (claramente menos interessantes), dos encargos acrescidos para a tão débil economia nacional, da acentuação das consideráveis assimetrias territoriais já existentes (norte-sul / interior-litoral), uma preocupação prioritária me sobressalta: e Aveiro?!
Onde nos podemos situar?!
Que peso político, económico, social e cultural temos como mais valia para nos posicionarmos como uma região lider?!
aqui fiz referência, às dificuldades que encontro na liderança da região aveirense face às "atracções fatais" de Coimbra e Porto, no que respeita às Áreas Metropolitanas.
Se a "simples" GAMA (Grande Área Metropolitana de Aveiro) não conseguiu manter nas suas fronteiras regionais concelhos como os de Espinho (velho posicionamento portista), Feira, S.João da Madeira, Arouca e mais a sul, Anadia e Mealhada, bem como não consegui "capatar" e "assediar" novos concelhos, como por exemplo o de Mira, não antevejo capacidades estratégico-políticas imporatntes para liderar uma região.
E depois?!
Bom depois, resta-nos o triste fado 'habitué' de perder peso estratégico para Coimbra (mais uma vez).
Pela regionalização (se voltar a ser questionada) eu digo NÃO. Por Aveiro.

4 comentários:

EB disse...

Pois é, não sei como é que seria Aveiro num mapa de Portugal dividido em regiões. O mais certo era o actual distrito ser retalhado e repartido por Coimbra e Porto, como bem suspeita. No entanto, tenho-lhe a dizer que concordo com a regionalização e com os princípios basilares em que, supostamente, esta deverá assentar. E para o Minho, por exemplo, a região onde resido actualmente, penso mesmo que só traria vantagens. Veja-se o caso da nossa vizinha Galiza.

migas (miguel araújo) disse...

Caro EB
Não sou contra os princípios basilares do conceito regionalização. Primeiro por colocar o estado mais perto dos cidadãos, segundo por teoricamente permitir distribuir a riqueza e estruturar o desenvolvimento de forma mais racional e equilibrada.
Entendo perfeitamente que para algumas zonas - distritos ou regiões, a regionalização seja uma prioridade e uma boa realidade.
Conhecendo, razoavelmente bem o Minho, como conheço (o meu Pai é de Braga, concelho de Amares, perto de Vila Verde), entendo perfeitamente a vossa opção e, acredite, que a aplaudiria.
A questão é que Aveiro está numa posição diferente de todo o Minho. Mesmo com a vossa proximidade ao Porto, a vossa realidade, o vosso bairrismo e o vosso sentido de união e regionalismos e o peso que, por exemplo Braga, tem no centro dessa região é claramente ais favorável à regionalização.
A nossa realidade é bem diferente.
Se "dividirmos" o país em circulos pequenos (pouco mais que os distritos) a regionalização não faz sentido. Se o conceito recair sobre áreas maiores, Aveiro terá dificuldades em se impôr.
É este o nosso dilema.
Cumprimentos para a minha segunda terra.

Terra & Sal disse...

Amigo Migas:
Tenha calma consigo e não se assuste que a nossa Ria ninguém leva e isso é que é importante.
Mas tem razão, Aveiro é um distrito importantíssimo no país em todos os aspectos.
A maior concentração de riquezas está à nossa volta e riquezas em todas as suas vertentes.
Uma das maiores “bolsas” ou “manchas” de riqueza pessoal está no nosso distrito.

Efectivamente nunca soubemos nem tivemos uma estratégia política capaz de cativar os concelhos de Aveiro, de lhes dar fosse o que fosse, criar até, algum “bairrismo aveirense”.
Sempre estivemos distantes deles e de todos os seus problemas e eles eram muitos.
Não soubemos “colonizar”
O caso das ligações terrestres é um exemplo entre dezenas ou centenas deles.
Uma deslocação a Aveiro era um martírio e continua em parte a ser.
As consequências estão à vista.

Não tenha dúvidas que os concelhos a Norte estão ligados, sempre estiveram, ao Porto, e os do Sul, a Coimbra.
Portanto, na generalidade não tem laços afectivos a Aveiro.
Quase nada tem em comum connosco. Apenas alguma simpatia.

Por outro lado esta coisa da Regionalização que eu acho justa, na prática e se vier a existir, não vai beneficiar, penso, (ou desejo) os grandes centros ou as grandes cidades, e nisso incluo Aveiro.
Servirá para “arrastar” os mais “atrasados” para junto dos “melhores posicionados”( só assim se justifica)

Depois, imagine que ficávamos com o nosso distrito inteirinho e ainda íamos buscar mais umas parcelitas a um lado qualquer.
Acha que a “centralidade” da Regionalização ficaria em Aveiro?

Cuidado Migas, que a coisa é capaz de ser bem mais complicada.
Deixe-os poisar que na hora vamos espantá-los com uns cartoons, e eles vão arrepiar caminho.
Abraço amigo
Terra & Sal

BM - Bruno Martins disse...

Estou actualmente em Coimbra a tirar a licenciatura de Ordenamento do Território e Desenvolvimento, digo-lhe, desde já, que a região de Aveiro tem mais peso que a de Coimbra.
Seja pela densidade populacional bastante contrastada! Pelo peso industrial, pela sua localização espacial potencializada pela ria e mar.
Coimbra actualmente conta com o peso mental dos politicos e dos meios de comunicação social que cá estabelecem as suas filiais. Por outras palavras Coimbra tem mais oferta de serviços à população. Mas se a população é em menor densidade de que nos podemos queixar!? Apenas temos que exigir, mais! A regionalização irá acabar com os C.C.R.'s que actualmente 1 deles se encontra sediado em Coimbra, para criar novos CCR's nas diferentes regiões. Vamos andar neste impasse por mais quanto tempo!? Temos que afirmar a região de Aveiro e sem receios! Aveiro tem mais população por Km2 e mais poder económico...
Não olhe para o território só pelos limites do concelho, veja o que a região de Aveiro tem à sua volta! Outras cidades com tradições e origens iguais! E Coimbra!? Coimbra é só Coimbra...