“Debaixo dos Arcos” foi, e ainda é, o primeiro blogue não virtual de Aveiro. Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada": o centro do mundo...

12 outubro 2009

Rescaldo eleitoral caseiro.(actualizado às 22:40)

O País foi, no mesmo ano e pela terceira vez, a votos.
Objectivos das 3 cruzes a assinalar nos respectivos boletins: eleição da gestão municipal; eleição dos vogais da Assembleia Municipal e eleição dos membros das Assembleias de Freguesia, onde será eleito o executivo das Juntas de Freguesia.
Em Aveiro, os resultados finais foram:

Câmara Municipal
Coligação "Juntos por Aveiro" - 19243 votos (6 mandatos/vereadores); PS - 11849 votos (3 mandatos/vereadores); BE - 1814 votos e a CDU - 1311 votos.

Assembleia Municipal
Coligação "Juntos por Aveiro" - 18931 votos (16 mandatos); PS - 10421 votos (8 mandatos); BE - 2381 votos (2 mandatos); CDU - 1580 votos (1 mandato) e MEP - 830 votos.

Assembleias de Freguesia
Aradas: Coligação "Juntos por Aveiro" - 1842 votos; PS - 1287 votos (diferença: 555 votos)
Cacia: Coligação "Juntos por Aveiro" - 2275 votos; PS - 685 votos (diferença: 1590 votos)
Eirol: PS - 340 votos; Coligação "Juntos por Aveiro" - 184 votos (diferença: 156 votos)
Eixo: Coligação "Juntos por Aveiro" - 1177 votos; PS - 866 votos (diferença: 311 votos)
Esgueira: PS - 2320 votos; Coligação "Juntos por Aveiro" - 2009 votos (diferença: 311 votos)
Glória: Coligação "Juntos por Aveiro" - 2577 votos; PS - 1314 votos (diferença: 1263 votos)
Nariz: Coligação "Juntos por Aveiro" - 340 votos; Indp. - 170 votos (diferença: 170 votos)
Oliveirinha: Coligação "Juntos por Aveiro" - 1558 votos; PS - 627 votos (diferença: 931 votos)
Requeixo: Coligação "Juntos por Aveiro" - 557 votos; PS - 110 votos (diferença: 447 votos)
São Bernardo: Coligação "Juntos por Aveiro" - 1393 votos; PS - 593 votos (diferença: 800 votos)
São Jacinto: Coligação "Juntos por Aveiro" - 327 votos; PS - 299 votos (diferença: 28 votos)
Vera Cruz: PS - 1788 votos; Coligação "Juntos por Aveiro" - 1661 votos (diferença: 127 votos)
Santa Joana: Coligação "Juntos por Aveiro" - 2698 votos; PS - 749 votos (diferença: 1949 votos)
N.Sra. Fátima: Independentes - 554 votos; Coligação "Juntos por Aveiro" - 513 votos (diferença: 41 votos)


Análise/reflexão sobre as eleições
O processo/resultados eleitorais comportam alguns dados que se afiguram relevantes:
1. Sendo previsível a repetição de um resultado próximo do de 2005 (5 vs 4 mandatos), acabou por ser expressiva a vitória da Coligação "Juntos por Aveiro", conquistando uma maioria absoluta e o dobro dos mandatos em relação ao PS (6 vs 3 mandatos). Foi, por mais argumentos e justificações que se queiram encontrar, esta a vontade democrática dos aveirense. Respeite-se!
Élio Maia obteve 53,79% das preferências dos votos expressos e José Costa 33,12%.
Uma diferença considerável que resultou, do meu ponto de vista, em falhas comunicacionais, por parte da candidatura do PS, expressas na forma como se desenrolou a campanha: muita lateralização dos assuntos, muitos "fair divers", muita quezília, alguns "tiros no pé", ausência de discussão dos assuntos importantes para o Concelho, ... Os aveirenses acabaram por não se relacionar com a forma como a campanha se desenrolou.
Alguns apontam o número considerável de abstenções (cerca de 47%), penalizando José Costa. Não sou tão simplista nessa análise, nem me parece que esse seja o único argumento válido. Até porque isso significaria uma dupla derrota para o PS local: a perda significativa das eleições e um claro "cartão" vermelho à sua lista e propostas.
Acredito que alguns socialistas não tenham ido votar por falta de empatia com a candidatura do PS.
Mas, por outro lado (como pode servir de exemplo a Freguesia da Glória), muita da abstenção significou igualmente um alheamento eleitoral (nesta caso a desfavor da coligação) por muitos eleitores entenderem que já se esperava uma vitória de Élio Maia.
Há, ainda, o "cansaço" natural de um ano eleitoralista e a proximidade temporal dos dois últimas actos eleitorais (apenas 15 dias de diferença).
2. A Coligação "Juntos por Aveiro" conquista mais 2576 votos que em 2005 e o PS perde 1933 votos.
3. Outro dado curioso é que, pela primeira vez desde 1976, o PS perde as eleições em S.Jacinto, tendo a Coligação conquistado, desta vez, a Junta de Freguesia.
4. A coligação perde a Junta de Freguesia de N. Sra. de Fátima, não para o PS, mas para o Movimento de Independentes.
5. O PS manteve as Juntas de Freguesia de Eirol, da Vera Cruz e a de Esgueira.
6. Apesar das críticas que transmitiram o desagrado na forma negativa como a Câmara se teria (eventualmente) relacionado com as Juntas e algumas Instituições e Associações, o certo é que Élio Maia (Câmara) perdeu por 30 votos em Eirol, por 100 votos em Esgueira e por 40 votos na Vera Cruz, sendo relevante o facto da Coligação reforçar a sua maioria na Assembleia Municipal onde apenas perdeu na(s) mesa(s) de voto de Eirol por 23 votos de diferença.
7. As diferenças consideráveis na eleição dos membros das listas da Coligação nas Assembleias de Freguesia, foram registadas: Aradas (555 votos), Cacia (1590 votos), Glória (1263 votos - o BE elegeu 1 mandato), Oliveirinha (931 votos), São Bernardo (800 votos) e Santa Joana (1949 votos).
8. Na conquista das Assembleias de Freguesia por parte das listas do PS, as diferenças são consideravelmente reduzidas: Eirol (156 votos), Esgueira (311 votos - eleição de 1 mandato para o BE) e Vera Cruz (127 votos - eleição de 1 mandato para o BE).
9. Nas restantes Assembleias de Freguesia, os resultados demonstram diferenças menos acentuadas, mas com vitória das listas da Coligação: Eixo (311 votos), Nariz (110 votos de diferença para a Candidatura de um Movimento de Independentes - para o PS a diferença foi de 179 votos), Requeixo (447 votos), S.Jacinto (28 votos).

Em resumo, ganhou a estratégia da Coligação "Juntos por Aveiro" sobre a estratégia do PS, sendo que os aveirenses, que expressaram o seu direito de cidadania, escolheram, democraticamente, as propostas e a continuidade da gestão do município por parte de Élio Maia e a sua equipa.

Actualização

Mais notícias relacionadas: em Notícias de Aveiro e Expresso on-line (declarações de Alberto Souto).

6 comentários:

Ângelo Ferreira disse...

Boa tarde.
O MEP conseguiu a confiança de 830 pessoas, mais do que duplicando a votação que obteve nas eleições legislativas (358 votos), em menos de 15 dias, com escassos recursos para campanha.
Julgo que este é um facto interessante e que nos incentiva para continuar a trabalhar, enraizando a sua mensagem, promovendo maior proximidade com as pessoas do concelho. É o que faremos.
Mesmo não tendo eleito nenhum deputado para a Assembleia Municipal, o MEP reforçará o seu trabalho, a sua atenção aos problemas dos aveirenses.
Vale a pena agradecer a confiança que 830 aveirenses depositaram no MEP, que se apresentou pela primeira vez a umas eleições autárquicas.
Aproveito também para felicitar os vencedores e todos aqueles que, tendo perdido, se entregaram a este desafio com o intuito de prestarem serviço a Aveiro.
Desejo aos vencedores e a todos os eleitos os maiores sucessos no seu trabalho em prol de Aveiro.

Saltapocinhas disse...

houve principalmente falta de informação, especialmente por parte do PS.
Ainda estou à espera de receber na minha caixa de correio alguma informação sobre as listas da Câmara e da Junta de Freguesia...

Lamentável!

Terra e Sal disse...

Interessante a sua análise meu Caro Miguel. Foi de facto uma derrota, uma grande derrota do PS. Sinceramente não esperava uma cabazada tão grande, mas é a vida.
Atenção que já basta a desgraça da Coligação ter "sacado" tudo,até a emblemática freguesia de S. Jacinto.
O meu amigo (sei que não foi por mal) diz que o PS apenas ficou com as freguesias da Vera Cruz e Esgueira. Esqueceu-se da freguesia de Eirol que é do Partido Socialista.
E penso que, a candidatura à freguesia de Nariz foi socialista e não independente, mas não tenho a certeza.
Daqui por 4 anos espero ver aqui outros resultados, isto se entretanto não mudarmos todos para a monarquia.
Um abraço e muita amizade

Migas "das Arábias" (miguel araújo) disse...

Caro Ângelo Ferreira
Foi com muito gosto, mas também com alguma surpresa, que registei e indiquei os 830 votos no MEP para a Assembleia Municipal.
De facto, tenho que reconhecer o papel e o esforço que desempenhou e "aplicou" nesta campanha. Os meus sinceros Parabéns.

Migas "das Arábias" (miguel araújo) disse...

Saltapocinhas
A questão da informação é um dado importante. Mas também, neste aspecto, houve falhas do lado da Coligação.
E, diga-se em abono da verdade, que o marketing político imperou mais no lado da candidatura de José Costa do que na candidatura de Élio Maia.
O que, à partida, poderia indiciar uma vantagem para os socialistas.
Mas assim não aconteceu... porque, paralelamente ao marketing, do meu ponto de vista, falhou a parte comunicacional, a tal "estratégia", a mensagem não chegou aos munícipes, e houve demasiado ruído paralelo.
Do lado da Coligação, houve muito contacto directo, houve propostas apresentadas e, mesmo não havendo "betão" erguido", houve coisas que foram feitas e que responderam às necessidades e realidades das populações. Foi isso que pesou, do meu ponto de vista.

Migas "das Arábias" (miguel araújo) disse...

Caro Terra & Sal
Atento, como sempre... de facto, falhou, por mero lapso meu, Eirol. Está resposta a "legalidade".
Em Nariz havia uma candidatura à Junta pelo partido socialista (a minha colega Isabel Parente). Mas ficou em terceiro lugar, atrás de um movimento de cidadãos que ficou em segundo lugar.
A ideia da monarquia... é a melhor proposta política que vi até agora. Tornar Aveiro num verdadeiro Condado, ou Principado como no Mónaco. Isso é que era.
Mas a realidade local mostrou outra vertente: quase 20000 eleitores (a maioria dos inscritos - quase 54%) entendeu que a continuidade de Élio Maia e do trabalho do seu executivo é o melhor para o Concelho. E isto é democracia... e são os factos.
De nada vale ouvir algumas vozes que entendem ter nas suas cabeças (pensamentos) a verdade absoluta e que os outros (mesmo que sejam a maioria) são todos "burros" ou estão todos errados.
Há que saber respeitar democraticamente, mesmo que não se concorde, a vontade expressa pela maioria. Isto faz parte da vida e dos ciclos políticos... ganham, os que perante o "sufrágio" universal e livre, se apresentam com as melhores opções, medidas e políticas, na perspectiva dos cidadãos.
Pode custar a alguns, mas é a pura realidade.
Um Abraço