“Debaixo dos Arcos” foi, e ainda é, o primeiro blogue não virtual de Aveiro. Espaço de encontro, “tertúlia” espontânea, “diz-que-disse”, fofoquice pegada, críticas e louvores, ..., é uma zona nobre da cidade, marcada pela história e pelo tempo, onde as pessoas se encontram e conversam sobre "tudo e nada": o centro do mundo...

01 janeiro 2006

Saudades (ou não)!

2006 tem já 17 horas e 52 minutos de vida.
Ano novo. Vida nova!
A expressão pressupõe que a mudança e esperança num ano novo e melhor seja fundamentada numa revisão e análise ao ano que finda e deixamos para trás.
Muito sinteticamente, porque o corpo ainda não recuperou totalmente.
POLÍTICA
Após a dissolução da Assembleia da República (que implicaria a 'queda' do governo polémico de Santana Lopes) o PS consegue a sua priemira mairia absoluta nas eleições legislativas dde 20 de Fevereiro.
José Sócrates, beneficiado pela fragilidade da estabilidade governativa de Santana Lopes, era indigitado Primeiro Ministro de Portugal.
No entanto, em 9 meses de governação a contestação subia de tom e saía à rua mais vezes do que em anteriores mandatos: Saúde - Ensino - Justiça.
O monopólio das farmácias era posto em causa com a venda livre dos medicamentos não sujeitos a receita médica.
O IVA aumentava de 19 para 21%.
Era alterado o regime de pensões e dos cargos políricos.
O aborto não seria referendado.
Relançados os projectos polémicos da OTA e do TGV.
O custo de vida aumenta desmedidamente em Portugal.
Portugal consegui marcar pontos na aprovação dos fundos comunitários, alcançando uma verba ligeiramente superior a 22 milhões de euros.
A bandeira do plano tecnológico conheceu 3 responsáveis e teima em não passar de um projecto.
Freitas do Amaral (segundo as sondagens) seria o ministro mais popular durante o ano de 2005.
Na sequência dos resultados das legislativas, o PSD elegia Marques Mendes para timoneiro que se tornaria no principal vencedor das autárquicas, contrariando algumas vozes internas.
O meu CDS.PP sentia dificuldades para a sucessão a Paulo Portas, quando surpresamente elegia Ribeiro e Castro para liderar o partido. Liderança muitas vezes contestada e que culminava o ano de 2005 com a bombástica inocerência política e histórica sobre o terrorismo.
O país continuava a viver envolto da àurea eleitoral.
As eleições autárquicas viravam a cor do país: o rosa virou laranja, mesmo que com mistura de amarelo e azul. Era mostrado um cartão amarelo ao governo. Estas eleições marcariam o arranque das presidenciais.
A 13 de Junho, falecia Álvaro Cunhal.
A pré pré-campanha eleitoral para as presidenciais de 22 de Janeiro, ficaria marcada pelo afinal não basta de Mário Soares, a polémica interna no PS devido a Manuel Alegre, a divisão da esquerda e o regresso de Cavaco Silva.
Lá fora a compexidade das eleições alemãs marcavam o panorama político europeu após o Não declarado à Constituição Europeia.
O alargamento europeu e o caso Turquia.
O presidente brasileiro sentia-se traído e os brasileiros decepcionados: era o 'mensalão'!
SOCIEDADE
Em Fevereiro falecia a irmã Lúcia.
O fogo consumiu Portugal, num autêntico verão escaldante.
Em Troia caíam finalmente as duas torres, sem implicações terroristas.
A Banca portuguesa era investigada.
O caso da Casa Pia ía finalmente a tribunal e via o insólito da libertação de Bibi por ter ultrapassado o tempo limite de prisão preventiva previsto na lei.
O país assitía incrédulo ao caso da Joana (Algarve) e mais recente ao da pequena Fátima em Viseu.
Este ano seria igualmente o ano negro para a psp, com as fardas manchadas pelo sangue de 5 agentes mortos.
Lá fora a comunidade internacional unia-se, quase que unanimamente, em torno da morte do Papa mais popular João Paulo II. A sua sucessão seria garantida pela eleição do cardeal Ratzinger parta Papa Bento XVI.
A França vivia 21 noites infernais. A espanha sentia-se abraços com a questão dos clandestinos em Marrocos.
Israel abandonava a faixa de Gaza, sem que isso resultada em mais Paz para a região.
Londres vivia em estado choque os atentados que vitimaram 56 pessoas. Um brasileiro era abatido pela polícia londrina erradamente.
A natureza mandava mais forte. Depois de um final de 2004 marcado pelo tsunami asiático, um terramoto transformava o Paquistão num verdadeiro cemitério e as águas subiram em New Orleans.
Chegávamos ao fim de 2005 com as aves engripadas.
DESPORTO
Benfica conquista campeonato nacional após 11 anos de jejum.
Vitória de Setúbal combate crise interna com conquista da Taça de Portugal.
Sporting falha vitória na final da Taça UEFA, em Alvalade.
Porto termina ano de 2005 isolado no comando do nacional, apesar do fracasso internacional.
Selecção portuguesa apura-se para o Mundial 2006, na Alemanha.
Os sub-21 trazem europeu para o país.
Tiago Monteiro atinge um lugar no pódio da fórmula 1.
Lance Amstrong conquista Paris pela 7ª vez consecutiva .
O novo senhor do futebol de sua magestade é português e dá pelo nome de José Mourinho.
AVEIRO
Perante a incredibilidade de muitos terminam os 8 anos de gestão camarária de Alberto Souto, sucedendo-lhe Élio Maia.
O Beira Mar desce à segunda liga e Mano Nunes deixa o leme do clube para Capão Filipe.
Os números polémicos do Orçamento camarário para 2006 terminam na sua aprovação em Assembleia Municipal e com a deliberação de uma auditoria ás contas e gestão do mandato anterior.
A Rota da Luz tem novo responsável: Pedro Silva sucede a Encarnação Dias.
Os blog's aveirenses nasceram que nem cogumelos. Aveiro em primeiro.

Entrámos em 2006. Ano novo. Vida nova.

2 comentários:

Cagaréus&Ceboleiros disse...

Boa retrospectiva.
Faltou a Vitória da Ticha.
Abraço

Anónimo disse...

caro Migas ... só agora vi o teu Blog "c/olhos de ver" ... e está muito interessante ... parabéns .. e já agora bom ano 2006 p/ti e tua familia ... um destes dias cá voltarei p/colocar o meu comentário.